supervisão da internet

Escrito por Lucas Adiers Stefanello

avatar

EuA adiam para 2016 plano de deixar supervisão da Internet

Contrato de supervisão da Internet dos EUA com administradora da rede acabaria em setembro. Casa Branca, porém, decidiu renová-lo e adiar transferência de controle.

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos informou nesta segunda-feira (17) que adiou até setembro de 2016 seus planos de deixar a supervisão da empresa sem fins lucrativos que administra a infraestrutura e supervisão da internet.

O departamento comunicou que planeja renovar seu contrato com a Corporação para Atribuição de Nomes e Números na Internet (Icann, na sigla em inglês) por mais um ano.

A Icann foi criada em 1998 e já naquele ano passou a supervisionada pelo governo dos Estados Unidos por meio do Departamento de Comércio. Sediada na Califórnia, a empresa gerencia a atribuição de nomes e domínios de alto nível, como o “.com” e o “.net”, a distribuição de protocolos de internet e a implantação na rede de novas regras técnicas.

A comunidade em torno da internet espera que o Departamento de Comércio abra gradualmente esse controle a membros de outros países além dos EUA. A transferência do bastão aconteceria ao fim do atual contrato com a Icann, em setembro deste ano.

O secretário-assistente para Comunicações e Informações, Lawrence Strickling, escreveu em um blog que o Departamento de Comércio chegou a essa decisão após os grupos que desenvolvem os documentos de transição afirmarem que eles precisariam adiar a data até setembro de 2016 pelo menos para concluir os processos pedidos e implementar suas propostas. “Isso se tornou cada vez mais evidente ao longo dos últimos meses que a comunidade precisa completar o seu trabalho, ter o plano revisto pelo governo norte-americano e assim implementá-lo se for aprovado”, escreveu Strickling.

Dentre os 30 experts envolvidos na elaboração da proposta que foi submetida ao Departamento de Comércio dos EUA, três são do Brasil, país com o segundo maior número de representantes, atrás dos EUA.

O grupo brasileiro tem um dos pioneiros a implantar a rede no país e até agora o único brasileiro no Hall da Fama da Internet, Demi Getschko. Outros membros são o secretário-executivo do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), Hartmut Glaser; e o diplomata Jandyr Ferreira dos Santos Junior, chefe da Divisão de Sociedade e Informação do Ministério das Relações Exteriores. O trabalho é tornar mais aberta a Corporação da Internet para Designação de Nomes e Números (ICANN, na sigla em inglês). A organização administra as funções fundamentais da internet, como distribuição de domínios (como “.com” e “.br) e IPs (códigos que permitem navegar na rede e são como uma identidade do acesso).

Quem são eles?

Os três brasileiros chegaram ao comitê de transição de forma diferente. Demi é o indicado da Sociedade da Internet (Isoc, na sigla em inglês); Glaser, da Organização de Suporte de Endereço; e Santos Junior, do comitê de governos que auxilia a Icann.

“O governo brasileiro defende que o esforço de elaboração de proposta de transição não deve se restringir a aspectos meramente técnicos”, afirma Santos Junior. Ele defende a “participação dos governos no processo de decisão” da internet.

A reclamação é que o órgão que “controla” está na Califórnia e uma decisão da Justiça dos EUA poderia interferir na internet.

Dentro dos EUA, deixar de controlar a rede não é consenso e há resistência dos republicanos, que não veem com bons olhos transferir a supervisão para um grupo que pode vir a incluir países do “Eixo do Mal”. “Por isso tentamos agilizar a discussão até o fim do mandato Obama”, diz Fink, citando o presidente, que é democrata.

O processo em curso era tratado como um retorno às origens da internet. “Essa é a coisa mais importante que aconteceu para a ICANN. É uma espécie de maioridade para ela, como se pudesse se dirigir sozinha”, explica Daniel Fink, gerente da entidade no Brasil.

Fonte: G1