/ Evolução, Soluções Web

Como aplicar SEO no seu e-commerce

Já não é novidade para ninguém como os grandes motores de busca se tornaram a maior vitrine do mundo, mudando o marketing para sempre. O que nem todo mundo sabe é como fazer um bom SEO para e-commerces e afins.

Sigla para Search Engine Optimization, a Otimização Para Motores de Busca nada mais é do que um conjunto de estratégias. O que elas fazem é ajudar a ranquear páginas da internet nas primeiras posições dos grandes buscadores.

Assim, quando alguém for desenvolver um conteúdo sobre algo como locação de geradores em São Paulo, precisará levar em conta alguns parâmetros que os algoritmos da plataforma consideram como sendo de melhor qualidade.

Os buscadores mais utilizados no Brasil são o Google, o Bing e o Yahoo, sendo que o primeiro deles monopoliza mais de 90% das buscas, segundo dados da própria Google Inc. Além disso, várias pesquisas da gigante revelam informações ainda mais importantes.

Por exemplo, o fato de que os usuários dessa plataforma geralmente não passam da primeira página de busca. Mais de 95% das pessoas ficam apenas nela, que costuma oferecer dez resultados orgânicos (entre outros posicionados por “anúncio”).

Portanto, um e-commerce que queira se destacar organicamente, seja para vender carrinho plataforma aço inox ou qualquer outro produto, vai precisar de um SEO tão bom que seja capaz de colocá-lo na primeira página o mais rápido possível, concorda?

Lembrando que, na verdade, também existem páginas de comércio eletrônico que lidam com serviços. Ou seja, são lojas virtuais e marketplaces que fazem anúncios de prestadoras de serviço, de qualquer segmento ou nicho de mercado.

Seja como for, basta prestarmos atenção em nossa própria rotina como internautas, para percebermos a importância que os motores de busca atingiram em nosso dia a dia. Hoje praticamente ninguém cota um produto ou serviço sem eles.

Além disso, seu uso vai além, e inclui pesquisas por entretenimento, esportes, estudos e muitos outros motivos. Esse crescimento das funções dos buscadores também é razão para recorrer ao SEO e marcar presença no que se tornou uma tendência.

Por isso, decidimos escrever este artigo, trazendo alguns conceitos importantes e dicas bastante práticas de como aplicar técnicas de otimização em seu e-commerce. Se você quer entender melhor o assunto e mudar seu negócio de patamar, basta seguir adiante na leitura.

O que exatamente é o SEO?

Muita gente pensa que os motores de busca simplesmente “encontram” qualquer coisa da internet. Na verdade, elas apenas se relacionam com páginas que já conhecem, ou seja, que foram previamente indexadas ao sistema deles.

Hoje essa indexação pode ser feita manualmente, até para acelerar o processo. Ou os famosos robozinhos do Google podem passar e “encontrar” sua página. De qualquer modo, é preciso dar um sinal de que você existe, ou eles não vão indexá-lo nunca.

Aí é que entra o papel do SEO como otimização de páginas. Se você escreve sobre aparelho para testes de alta descarga, mas não é o único, antes de posicionar sua página nos resultados eles precisam decidir qual vai ser o critério utilizado, concorda?

Afinal, poderia ser por ordem alfabética, ou por ordem de chegada. Porém, com o tempo eles perceberam que era preciso criar algoritmos cada vez mais exigentes, para que apenas os melhores conteúdos realmente aparecessem nas primeiras páginas.

Portanto, a melhor maneira de compreender o papel do SEO é esta: a missão da otimização é criar conteúdos de excelência, com isso garantindo que os usuários da plataforma vão ter a melhor experiência possível com seu material.

Assim, a única maneira de realmente ficar bem posicionado com um texto sobre desentupidora 24 horas, de maneira segura e perpétua, é escrevendo algo original e relevante. Também é aconselhável atualizar esse conteúdo sempre que possível.

É importante ter essa filosofia de trabalho, pois algumas pessoas tentam burlar o sistema (táticas assim são conhecidas como black hat). Mas isso, além de não ser sustentável, pode penalizar ou mesmo excluir terminantemente o seu site da plataforma.

Por dentro dos principais algoritmos

Sendo assim, outro ponto fundamental para quem quer fazer SEO, e com isso posicionar seu e-commerce, é compreender quais são os parâmetros principais utilizados pelo Google e pelos demais buscadores.

Inicialmente elas aplicaram, como algo realmente revolucionário, o critério dos trabalhos acadêmicos: quanto mais um trabalho é citado por outros, maior sua relevância, certo? Assim, os links externos é que filtravam os conteúdos mais importantes.

De fato, se um blog sobre resistência de imersão faz link com profissionais que são uma autoridade no assunto, ao passo que outros blogs não têm esse diferencial, ele merece mais destaque nos resultados, não é verdade?

Só que de lá para cá muita coisa mudou. Seja por causa de ações como as de black hat, seja por causa do avanço da tecnologia, como o uso de dispositivos mobile (que hoje já estão presentes em quase 80% das pesquisas, segundo dados da Google Inc.).

São mais de duzentos algoritmos rodando. Alguns dos principais consideram o seguinte:

  • Palavra-chave e textos;
  • Links internos e externos;
  • A arquitetura do site;
  • Atualização recente de conteúdo;
  • Design responsivo (mobile);
  • Integração com mídias sociais;
  • Botões de compartilhamento;
  • Tempo de carregamento;
  • Varredura de erros;
  • Entre tantos outros similares.

Adiante vamos aprofundar alguns dos principais, de modo que seu e-commerce realmente veja um resultado prático e rápido no seu posicionamento.

Dominando a palavra-chave

Pense no seu próprio uso: toda pesquisa começa pela palavra-chave, concorda? Mas e se você fizer uma página perfeita em termos de conteúdo, só que com uma repetição de palavras-chave que ninguém usa?

Para evitar isso, o próprio Google tem a famosa plataforma Keyword Planner, que ajuda o usuário a primeiro identificar a melhor palavra-chave a ser trabalhada. Depois, basta inseri-la no próprio texto de maneira eficiente.

Por exemplo, se o conteúdo é sobre mesa de inox, o mais indicado é que essa palavra-chave apareça, no mínimo, no título (do texto e das imagens), na URL, no primeiro parágrafo e na Meta Description, que é a frase que resume aquele conteúdo.

O que é link building e como fazer?

Os links internos podem e devem ser trabalhados de maneira inteligente, que façam sentido, levando o leitor para outras páginas do mesmo site. Se o site trata de pintura, é possível linkar uma página sobre tintas com outra sobre pincéis, percebe?

Os links externos que você faz para outros sites seguem a mesma lógica, já que você é livre para fazê-los. O desafio está mesmo em ser citado/linkado por outras páginas relevantes. Aí é que entra o papel do link building, que racionaliza esse processo.

Um modo imbatível de fazê-lo é por meio de parcerias, como as de guest post. Neste caso, você troca conteúdos com uma marca de segmento transversal. Aí, sua matéria que ele vai publicar no site dele, faz um link para o seu site e vice-versa.

O papel das mídias sociais

Muita gente diz que os buscadores não “entram” nas mídias sociais. É verdade que eles não vão posicionar algo que um post relata nesta ou naquela rede social, pois tudo isso é muito passageiro.

Contudo, se o seu e-commerce fizer os devidos links com elas, será beneficiado. Afinal, se um serviço de locação de tenda piramidal está presente em várias plataformas ao mesmo tempo, isso promove uma melhor experiência de busca, concorda?

Além do botão de compartilhamento para as redes (que você deve inserir em cada página, e não apenas na homepage do site), fazer o caminho inverso também ajuda: publicar links do site nos posts das mídias sociais, o que vai aumentar seu tráfego.

Sobre experiência do usuário

Talvez você nunca tenha ouvido falar em UX, sigla para User Experience. Mas certamente tem suas próprias Experiências de Usuário, especialmente no sentido de usabilidade.

Assim, um site com uma arquitetura mais bem desenvolvida, com layout agradável e navegabilidade positiva, certamente vai atingir alguns parâmetros do Google.

Uma dica de ouro é prestar atenção no próprio Google, que hoje conta com abas que vão desde “Imagens” e “Notícias”, até “Shopping” e “Viagens”.

Mesmo com tantas funções, a funcionalidade é perfeita, não é mesmo? Tudo é simples e intuitivo, tornando a experiência o mais universal e positiva possível. Um e-commerce pode e deve fazer a mesma coisa em sua arquitetura.

Considerações finais: “cultura SEO”

É preciso compreender o SEO como um ponto da sua filosofia de trabalho, como um elemento da cultura organizacional do seu marketing.

Assim você e sua equipe vão perceber que se trata de um processo contínuo, que requer mudanças, inovações e melhorias constantes.

Se o blog fala sobre raspagem de tacos valor, e surgiu uma nova ferramenta que realiza esse mesmo serviço de maneira mais avançada, que tal atualizar a página, aproveitando para melhorar também as fotos e o texto como um todo?

Hoje já existem aplicativos que ajudam, por exemplo, a fazer varredura de erros (link quebrado, página duplicada, acesso negado, etc.), e até a dar um score de como está a otimização do seu e-commerce. Usá-los pode ajudar muito.

Tudo isso reforça as dicas dadas acima, e deixa claro como ao segui-las qualquer site de comércio eletrônico pode ter um resultado muito melhor.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nossos conteúdos

Deixe seu e-mail abaixo e receba conteúdos relevantes gratuitamente

Lucas Adiers Stefanello

Escrito por

Lucas Adiers Stefanello

Diretor da InCuca, especialista em tecnologia para negócios: AI, data science e big data. Coordenador da comunidade WordPress Floripa.

WhatsApp

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp