como criar um blog

Escrito por Lucas Adiers Stefanello

avatar

Como criar um blog: aprenda de forma fácil e rápida

O blog é uma base comum essencial para estratégias de marketing digital. Por meio da produção de conteúdo, é possível atrair novos clientes e estabelecer laços mais fortes com quem já faz negócios com a sua empresa. Na metodologia de Inbound Marketing, da qual o blog corporativo faz parte, o foco está em encantar seu cliente ou atraí-lo com conteúdo relevante.

Para empresas que buscam investir nesse tipo de estratégia, criar um blog é um ótimo ponto de partida. No entanto, é muito fácil se perder em meio a tantas opções, sem saber por onde começar na criação e desenvolvimento do blog de sua empresa.

Para ajudá-lo, a seguir, você terá um passo a passo de todas as etapas e conceitos fundamentais para desenvolver e administrar seu blog. As etapas podem ser resumidas nas seguintes dicas:

  1. Escolha o domínio de seu blog.
  2. Contrate o serviço de hospedagem para seu blog.
  3. Instale o CMS responsável pela estrutura do seu blog.
  4. Configure seu blog.
  5. Crie e administre o conteúdo de seu blog.

1. Escolha o domínio de seu blog

Antes de começar seu blog, é preciso selecionar um domínio para ele. É necessário tomar bastante cuidado nessa etapa inicial, pois o domínio será o nome associado à página que hospedará o conteúdo. Por isso, existem alguns cuidados que devem ser tomados:

  • Verifique a disponibilidade do domínio: procure um registrador e pesquise a disponibilidade e o valor do domínio de seu blog.
  • Use palavras simples e claras: pense em um nome que identifique rapidamente seu blog e fixe rapidamente na memória das pessoas.
  • Evite palavras confusas: nomes com muitas consoantes seguidas ou difíceis de pronunciar podem prejudicar o tráfego orgânico.
  • Escolha um domínio ligado ao objetivo de seu blog: o nome do blog e domínio não precisam ser iguais. Isso pode ser utilizado a favor de domínios alinhados ao objetivo do blog.

Além da escolha do domínio, é necessário também escolher o sufixo. As terminações mais utilizadas são:

  • .com
  • .com.br
  • .net
  • .net.br

Terminações mais segmentadas também podem ser utilizadas, como “.art” (para páginas artísticas) ou “.org” (para organizações). Outra opção que também pode vir a ser pensada é o domínio “blog.” no começo de sua URL (blog.site.com, por exemplo).

Para descobrir se a compra de um domínio está disponível, basta realizar a busca na página do órgão responsável. As entidades registradoras de domínio são conhecidas como: registrar. No Brasil, o registrar mais recomendado é o registro.br. Existem outras opções que podem ser escolhidas e fazem o serviço de busca e compra do domínio.

Com o domínio disponível, geralmente teremos os seguintes passos para o registro:

  • Registrar uma conta como administrador, com seu e-mail e CPF.
  • Informar o DNS, caso você já tenha seu blog hospedado em um servidor.
  • Selecionar plano, forma de pagamento e efetuar a compra.

Caso tenha dúvidas ao escolher o sufixo ideal durante o registro de domínio, é aconselhável registrar os mais populares. Em um caso de escolha entre “.com” ou “.com.br”, por exemplo, ambos os sufixos de domínio podem ser registrados.

Seu blog, com as principais extensões de domínio, torna-se mais fácil de ser encontrado em buscas orgânicas. Além disso, sua empresa protege o nome da marca e sua presença na web.

2. Contrate o serviço de hospedagem para seu blog

O serviço de hospedagem permite que você possa ter um servidor para o blog. Nesse passo, existem modalidades desse serviço mais adequadas para blogs corporativos. Uma opção de hospedagem gratuita ou muito barata, por exemplo, não é a mais indicada – afinal, é preciso que seu blog construa credibilidade e tenha uma estrutura segura para você e para seus clientes.

Veja só de quais diferentes formas sua empresa pode hospedar seu blog:

  • Hospedagem em servidor interno: às vezes, sua empresa tem uma estrutura de servidores já preparada para a hospedagem de um blog. Como possível desvantagem, talvez certos parâmetros de segurança tornem a instalação de recursos e elementos novos um processo mais conflitante. Entretanto, é uma opção possível caso sua empresa tenha esse recurso bem resolvido.
  • Blog como parte de seu site: possivelmente, o formato mais popular de hospedagem. Afinal, se sua empresa já conta com um site, por que não ter o blog como uma página, certo? Certifique-se apenas de ter a organização e a hierarquia bem definidas ao lidar com o conteúdo dedicado a seu blog. Pastas dedicadas e links internos na página principal são essenciais.
  • Backup: como em qualquer projeto digital, o serviço de hospedagem deve ter uma rotina de backup, salvando instâncias do blog. Dessa forma, seu canal não será prejudicado em caso de problemas técnicos. Caso sua empresa decida pela hospedagem em servidores internos, garanta que existam pessoas capacitadas e recursos automatizados para garantir essa rotina de backup.
  • Hospedagem compartilhada: o servidor divide o armazenamento do blog com centenas de outros sites. É uma opção mais econômica, porém faz com que seu blog tenha um desempenho inferior.
  • Hospedagem dedicada: o servidor é disponibilizado inteiramente para seu blog. É uma opção de valor mais elevado, mas oferece maior segurança, especialmente se sua página tem bastante tráfego.
  • Servidor Virtual Privado (Virtual Private Server): reúne o melhor das vantagens de um servidor interno, entretanto em um ambiente virtual compartilhado para sua empresa. Requer conhecimentos específicos para configurar os recursos, porém garante uma maior autonomia nesse trabalho.

O serviço de hospedagem, basicamente, tem duas grandes responsabilidades com seu blog:

1. Manter o servidor configurado e estável. É importante que o serviço possa lhe informar métricas de desempenho do blog. Dados como tempo de carregamento e taxa de downtime (tempo fora do ar) são úteis para sua estratégia.

2. Trabalhar o banco de dados. Seu blog gera dados que precisam ser tabulados e sistematizados. Uma boa hospedagem garante não só o conteúdo do canal bem organizado e estruturado na arquitetura do site. Recursos como autores, formulários e caixa de comentários, por exemplo, exigem uma infraestrutura tecnicamente impecável.

Apesar do foco técnico, é relevante considerar que a hospedagem não pode ser limitada ao fator estabilidade. Fatores como o ranqueamento do blog em sites de busca, por exemplo, são afetados pela performance da página. Por isso, procure por empresas que ofereçam serviços diferenciados para garantir que seu blog tenha o melhor desempenho.

3. Instale o CMS responsável pela estrutura do seu blog

A hospedagem do blog é uma questão estrutural técnica básica a qualquer projeto digital. No entanto, antes mesmo da hospedagem, é fundamental escolher a estrutura com que o seu blog funcionará. Atualmente, é inviável pensar em um blog que não tenha um complexo sistema que o gerencia.

Chamamos esse sistema de CMS (Content Management System) – ou Sistema de Gerenciamento de conteúdo. Existem muitas opções no mercado, como o WIX ou o Blogger, da Google. No entanto, o CMS mais utilizado para blogs e sites é apenas um: o WordPress.

O ecossistema do WordPress teve um início humilde, como uma plataforma somente dedicada a blogs. Entretanto, seu posicionamento de código aberto fez com que ele pudesse crescer mais e mais. Com milhões de plugins, extensões e temas, o WordPress passou a ser um CMS flexível, utilizado em modalidade de site além do blog. É possível ver sites, portfólios e lojas virtuais que utilizam o WordPress em sua estrutura.

3.1. Utilizando o WordPress como CMS de seu blog

Antes de passar para as etapas de utilização do WordPress em seu blog, cabe aqui fazermos uma diferenciação. Com o crescimento da plataforma, há uma separação entre o WordPress.org (a plataforma open source) e o Worpress.com (o serviço que hospeda o site).

No WordPress.com:

  • Basta criar conteúdo, todo o resto é feito pelo WordPress.
  • A hospedagem é feita no servidor do WordPress.
  • Os temas de design do template são parcialmente personalizáveis.
  • As funcionalidades mais populares já estão disponíveis.
  • É necessário ter uma conta do WordPress.
  • O domínio ganha “wordpress.com”, necessitando um pagamento separado para o domínio personalizado.

Já no WordPress.org:

  • É preciso instalar o WordPress e adequar sua estrutura.
  • A hospedagem é de sua responsabilidade.
  • É possível modificar totalmente o design, desde que com os conhecimentos de PHP e CSS.
  • Existem mais funcionalidades, mas é preciso instalar os plugins extras.
  • Não é preciso ter uma conta do WordPress, bastando baixar o arquivo.
  • Você utiliza seu próprio domínio.

Em resumo, com o WordPress.com, você tem um serviço hospedado nos servidores internos deles, mas conta com limitações em relação a como personalizar sua estrutura. Já no WordPress.org, você tem liberdade de configuração, mas precisa ter os conhecimentos específicos (ou profissionais especializados) para realizar as configurações adequadamente.

Após passar pelo processo de escolha de domínio e hospedagem, a segunda opção faz mais sentido para seu blog, não? Baixe já o WordPress em português e acompanhe os passos:

  • Extraia os arquivos compactados em seu servidor: o processo de instalação do WordPress é bem descomplicado, ideal para blogs corporativos. Caso não tenha acesso livre ao painel de controle, contate seu servidor. Geralmente, ele utilizará o CPanel, uma interface já preparada para a rápida criação de e-mails, conta FTP, arquivos, diretórios e muito mais.
  • Escolha o diretório: o local em que os arquivos do WordPress serão extraídos pode variar de acordo com seu objetivo. Caso deseje instalar a plataforma em todo o site, os arquivos estarão na pasta principal. Caso deseje apenas em uma parte do site (no caso, o blog), basta descompactá-lo no subdiretório correspondente.
  • Crie o banco de dados: novamente, o CPanel conta com uma feature que permite criar seu banco de dados e usuário rapidamente. Nesse banco de dados, todos os arquivos de seu blog estarão hospedados. Basta utilizar o MySQL Database Wizard e preencher os campos.
  • Crie novos usuários e blogs (opcional): caso haja necessidade, você pode criar outros usuários e até mesmo outros bancos, em caso de mais de um blog no mesmo servidor.
  • Edite o arquivo wp-config.php: é hora de conectar o WordPress ao banco e usuário criados. Volte aos arquivos do WordPress fora do servidor (os que você baixou e descompactou) e procure o arquivo wp-config-sample.php. Copie-o, renomeie-o para wp-config.php e abra-o em um editor de texto. Agora, basta editar os campos em “Configurações do MySQL”. Lembre-se de manter os apóstrofos!

‘nome_do_banco_de_dados’;

‘nome_de_usuario_aqui’;

‘senha_aqui’;

‘localhost’

  • Envie o arquivo para o servidor: com o wp-config.php no servidor, basta ir à URL do blog e você verá uma tela de apresentação do WordPress. Agora, você está pronto para administrar seu blog. Caso queira acessar o painel do WordPress, basta adicionar “/wp-admin” após a URL do blog e colocar o usuário e a senha que foram criados no banco de dados.

4. Configure seu blog

O painel principal do WordPress é onde você poderá configurar e administrar as diferentes opções do CMS. Confira o que pode ser realizado no blog a partir do menu principal!

  • Painel: mostra as atualizações disponíveis para o WordPress e atividades recentes do blog.
  • Posts: administre seus posts. Crie novas publicações para o blog, edite postagens anteriores, organize categorias e tags.
  • Mídia: todos os arquivos de imagem e vídeo do blog podem ser organizados nessa opção.
  • Páginas: nessa opção, você pode criar e editar páginas do blog que não são posts.
  • Comentários: gerenciamento dos comentários dos leitores do blog.
  • Aparência: edite o layout de seu blog. Escolha temas do WordPress, personalize menus e insira widgets. Widgets realizam funções no blog como inserir links de redes sociais ou sua localização no Google Maps, por exemplo.
  • Plugins: um dos grandes atrativos do WordPress é sua imensa biblioteca de plugins, que permite adicionar diferentes funcionalidades no blog.
  • Usuários: configure as permissões e a quantidade de autores do blog.
  • Ferramentas: importação e exportação do banco de dados do blog podem ser realizadas nessa opção.
  • Configurações: as demais configurações do blog, como fuso-horário, estrutura das URLs, ajuste de data e hora e outras mais.

Agora que você conhece cada opção de sua dashboard, é hora de trabalhar e administrar o conteúdo do blog. Vamos lá!

5. Crie e administre o conteúdo de seu blog

Para manter seu blog ativo, é importante que haja uma agenda semanal de postagens. Assim, o canal mantém a frequência e a relevância. É importante o papel de um editor, isto é, alguém que seja diretamente responsável pela produção de conteúdo.

A carga de trabalho de um editor, claro, parte da demanda do blog. Inicialmente, não se trata de uma função que tomará todo o tempo. Mas, com o tempo, será necessário alguém que atue em período integral na área.

Planejar o conteúdo é uma tarefa que exige um passo anterior à própria criação do blog. Nesse caso, esse passo é definir o público de seu blog. Uma técnica normalmente utilizada para isso é a construção de uma persona. Personas são perfis semificcionais que representam seu público ideal. A partir da coleta de dados reais de seu público-alvo, é possível criar personas que tenham suas próprias histórias, dores e objetivos. É de extrema importância detalhar o comportamento da persona, pois é com base nesses perfis que o conteúdo do blog será planejado.

É importante que a definição da persona esteja além dos dados de seu público-alvo. A seguir, conheça algumas características que devem ser destacadas em uma persona de seu blog.

Características básicas da persona para a criação de um blog:

  • Definições específicas.
  • Detalhes sobre seu dia a dia e seus hábitos de consumo.
  • Rotina e problemas enfrentados em seu trabalho.
  • Perfil específico de um personagem, com nome, idade, profissão e história própria.
  • Definição de como seu conteúdo pode ajudar essa persona.

A ferramenta de persona permite que o blog possa direcionar conteúdo relevante e focado em sua estratégia de conteúdo. Como o blog oferece ferramentas de feedback como comentários, sua persona acaba sendo constantemente otimizada de acordo com essa interação realizada.

Outro ponto importante que acaba sendo constantemente otimizado é o próprio conteúdo de seu blog. Inicialmente, seu blog contará com postagens voltadas para seu público de acordo com sua jornada de compra. Com o tempo, serão necessários materiais mais complexos e completos para que o tráfego de seu canal possa ser ampliado.

É importante preparar seu blog para formatos diferenciados de conteúdo ao longo do tempo. Realize uma auditoria dos conteúdos que podem ser compilados, editados ou atualizados. Revisar o conteúdo de seu blog regularmente é uma forma de alinhar sua estratégia com os objetivos de marketing.

Esse acompanhamento e essa otimização do conteúdo estão ligados diretamente a práticas de SEO do blog. Ou seja, para otimizar o ranking orgânico de seu canal e garantir mais visibilidade, ter um conteúdo relevante é essencial.

O trabalho de SEO em um blog, com exceção de seu conteúdo, não se difere tanto das práticas de SEO de um site. No entanto, utilizando a plataforma do WordPress, é possível instalar plugins com funcionalidades que facilitem seu trabalho no dia a dia.

Os plugins mais populares de SEO no WordPress são dois: o Yoast SEO e o All in One SEO Pack. Conheça mais sobre algumas das principais funcionalidades deles a seguir:

Mapas XML para seu site. Um mapa XML (XML sitemap) lista cada uma das páginas do blog, otimizadas para busca. Isso permite que motores de busca como o Google possam encontrar com maior facilidade seu conteúdo.

Funções de otimização para posts. Ambos os plugins adicionam funções que permitem uma rápida otimização das postagens do blog. É possível definir títulos otimizados para SEO, meta descrições e palavras-chave pré-definidas para cada postagem. É possível, ainda, retirar determinadas postagens da indexação dos mecanismos de busca, com as funções nofollow e noindex.

Teste de palavras-chave. Permite segmentar públicos com base no tráfego do blog e testar as principais palavras-chave a serem utilizadas.

Suporte a breadcrumbs. Breadcrumbs (ou “farelos de pão”, em alusão ao conto de fadas João e Maria) são chamados os caminhos percorridos pelo usuário no site. Ter esse caminho bem definido é essencial para fortalecer os links internos do blog. Os breadcrumbs também aparecem nos resultados de busca (como, por exemplo Blog – Marketing de Conteúdo – Ebooks), otimizando o SEO.

Gerenciador de permalinks para URLs amigáveis. Outro ponto importante para que o blog no WordPress tenha um bom SEO é a criação de URLs amigáveis. Manter o endereço de suas publicações simples e relevantes para os motores de busca é essencial.

Feed RSS. Os feeds RSS permitem que o conteúdo do blog possa ser promovido de forma prática. Assim, o monitoramento de links externos de seus posts pode ter um maior controle.

Integração com as ferramentas Google. Informações e preferências das ferramentas do Google, como o Analytics e o Search Console, podem ser integradas ao WordPress. Assim, é possível otimizar a visibilidade de seu blog diretamente em uma única plataforma.

Além dos plugins de SEO para WordPress, existem outras opções muito importantes para a administração de seu blog. Conheça a seguir alguns deles.

Plugins úteis para seu blog

  • Akismet: impede spam nos comentários de forma automatizada.
  • Disqus: plugin de gerenciamento de comentários para o blog. Notifica quando comentários são feitos, além de permitir anexos como imagens, vídeos e links.
  • Broken Link Checker: fornece a relação de todos os links e imagens quebradas. Assim, você tem mais rapidez na hora de ajustar o conteúdo do blog.
  • Contact Form 7: gerencie um formulário de contato simples, agilizando a comunicação no blog.

Considerações finais

Administrar um blog não é uma tarefa simples. Além de todo o trabalho interno, existe um mundo de possibilidades para promover esse conteúdo em seus outros canais digitais. E, em todos esses canais, há também o trabalho do monitoramento de resultados.

Alinhar e otimizar o conteúdo dentro e fora do blog é um trabalho que exige dedicação – mas que traz ótimos resultados. Por isso, conte com soluções que possam oferecer suporte total para que seu blog possa focar no conteúdo e gerar os melhores resultados possíveis.

A InCuca está aqui para ajudá-lo a tornar seu blog um case de sucesso. Conte com a gente!